Thaís Imobiliária: Referência em morar bem

Com planos de expandir os negócios em 2018, a empresa investiu na ampliação do portfólio de imóveis, mesmo com mercado em crise

Atuante no mercado de locação, administração e venda de imóveis há 40 anos, a Thaís Imobiliária é a mais lembrada pelos consumidores em 2017 e leva o Top of Mind da categoria. A empresa administra mais de 2 mil imóveis no Distrito Federal e faz parte de uma associação de 18 imobiliárias que compartilham o banco de dados de venda e locação.

Com a maioria dos imóveis localizada no Guará e em Águas Claras, a Thaís quer ampliar a presença no Plano Piloto. “Apesar de termos uma parcela bem significativa de Águas Claras e Asa Sul, nossa meta é aumentar cada vez mais essa participação, porque ficamos muito dependentes do Guará”, avalia o diretor comercial Hugo Coutinho Garcia Leão. O carro chefe da empresa, desde a inauguração, é o aluguel – responsável por 70% dos rendimentos. “Focamos nisso desde o início.

Agora que começamos a investir em vendas e temos tido bons resultados”, expõe. No mercado imobiliário, os últimos anos foram nebulosos. “Tivemos uma queda da rentabilidade do aluguel. Em termos de vendas, não conseguimos fazer com que os imóveis valorizassem”, lembra Leão. A estratégia adotada foi aumentar o estoque de imóveis. “Os clientes tiveram mais opções e assim mantivemos vendas e locações em patamares adequados”.

Em 2017, a imobiliária contratou um sistema de gestão novo, que será implantado até o início do ano que vem. “Vai automatizar muitos processos. Esperamos ganhar mais em escala”, prospecta o diretor. Outra estratégia marcante da empresa neste ano foi investir em pessoas. Segundo o diretor comercial, a maioria dos gestores fizeram acompanhamento de coaching e isso se reflete no desempenho profissional. “Conseguimos ver quais funcionários estão nas funções erradas e poderiam exercer melhor o trabalho nas funções certas”, conta.

A empresa estuda lançar modalidades mais simples de fiança, através do cartão de crédito, cujo lançamento está previsto para 2017, e ampliar a assinatura digital dos contratos, hoje disponível apenas para renovação de locações. “Ainda não conseguimos levar isso para concessionárias de água e luz, que ainda não reconhecem assinatura digital como válida”. “Nesses 40 anos, os clientes nos validaram, nos indicaram e demandaram. O crescimento foi inevitável”, acrescenta. Segundo o diretor, os clientes têm um perfil conservador. Por isso, a empresa leva a sério o “cuidar do que não é nosso”, explica. “A gente exige que o inquilino devolva nas condições que pegou, cobra aluguéis em atraso. Isso faz com que cada vez mais proprietários olhem a gente como uma imobiliária segura para administrar o imóvel”.